Meu nome é Ana Beatriz tenho 25 anos e meu marido Cristopher tem 24 anos. Somos pais do João Paulo que tem 2 anos.

Nossa história começou bem linda, casamos e com 8 meses de casada eu quis engravidar … consegui na terceira tentativa. Estava tudo indo bem, muito feliz com muitos planos.

Quando estava exatamente com 23 semanas de gestação, eu já tinha feito uma ultrassom morfológico e estava tudo ok com meu bebê. Resolvi fazer uma ultrassom normal, pois estava ansiosa e queria ver meu bebê novamente, foi quando meu mundo virou do avesso. O médico disse que meu bebê não estava com a coluna completa, mas que poderia ser a posição, pediu uma outra ultra morfológico com urgência para descobrir o que estava acontecendo. Quando eu fiz, a médica olhou pra mim e falou que meu filho tinha uma má formação na coluna, com pés tortos e que ele não sobreviveria. Que eu esquecesse se estivesse pensando em fazer um chá de bebê, pois ele não resistiria. Meu mundo virou completamente, chorava dia e noite, meu único apoio era meu marido, estava comigo em todos os momentos. Não sabia ao certo o nome dessa má formação… foi um momento muito difícil. Passei a gravidez em pânico.

João nasceu de 41 semanas, ele tem mielomeningocele, artrogripose e regressão caudal. Ficou 12 dias internado, pois fez a correção das costas, que nasceu aberta. Não tem movimentação nenhuma do joelho pra baixo e tem Bexiga neurogênica com essa sequela eu sondo ele de 4 em 4 horas. João é uma benção, superou todas as expectativa dos médicos, não teve hidrocefalia.

Sofremos muito com toda essa descoberta, pois era tudo novo pra nós, não sabíamos como iria ser a vida dele e como iríamos lidar com toda a situação. Sofri antecipadamente o preconceito das pessoas, os olhares… mas hoje vendo tudo que ouvimos tudo que passamos, e ver o João de hoje, é gratificante.

Nada apaga o sorriso dele, a alegria, a força de viver… é saudável, sabe se virar super bem no chão e a cadeira foi a melhor coisa que aconteceu na vida dele, liberdade. E nenhum preconceito é maior do que a alegria dele de ir pra onde quer.

Meu filho é um milagre, e sou feliz por ser a mãe de um ser tão iluminado.
E você tem uma história como essa? conta pra nós em [email protected]