alzheimer-casa-casadaptada

Este segundo post sobre adaptação do ambiente de pessoas com Alzheimer vai falar de estímulos. Pois é, essa palavra bastante utilizada no tratamento não-farmacológico da doença! Os estímulos devem fazer parte da rotina do cliente e, não obstante, do seu ambiente.

Algumas dicas de estímulos que podem ser usados nos ambientes que residem ou frequentam os clientes com Alzheimer:

1. Iluminação: a luz natural deve ser aproveitada ao máximo, quando isso não é possível deve-se iluminar adequadamente esses ambientes, evitando penumbras ou ofuscamento.

2. Ruído: ruídos inúteis devem ser evitados dentro e fora de casa(se a televisão não está sendo vista: desligue!; se o elevador chegou e todos não estão prontos para descer, não prenda a porta e evite o ruído do sinal que avisa que tem algo na passagem).

3. Coloque calendários com caracteres grandes e páginas que possam ser removidas, deixando a informação clara de que dia é (dia da semana, mês, ano).

4. Relógios de parede: dê preferência àqueles com números grandes.

5. Cartazes ou placas: estes recursos podem ser usados em lugares estratégicos para informar (mensagem curtas, por favor!) o que cliente tem que fazer naquela manhã, por exemplo.

6. Sinalizar portas: isto ajuda a localizar os espaços que são usados com mais frequência (quarto, banheiro, guarda roupa). Etiquetas ou fotos podem ajudar.

7. Adaptar agenda de telefone e aparelho: treinar o cliente para usar a discagem rápida do aparelho ou adaptar a agenda com fotos pode ser uma solução.

Adequar essas estratégias às capacidades do cliente é necessário e pode exigir tempo e paciência do terapeuta e dos cuidadores. Ah, garanta que o cliente está com óculos ou com o aparelho auditivo, afinal sem esses dispositivos fica difícil interagir com o ambiente…

Tem algo a acrescentar? Comente ou envie sugestões e referências .

Ana Katharina Leite.

Fonte:  Reab.me

GOSTOU? COMENTE! SEU COMENTÁRIO É MUITO IMPORTANTE PRA NÓS COMPARTILHE E ESPALHE A INCLUSÃO!

NEWSLETTER-730